A ecologia digital da participação indígena brasileira

Eliete Pereira

Resumo


O aparecimento da Internet e dos dispositivos de conexão, seus aspectos pervasivos e ubíquos difundidos em escala global tornam-se os vetores do processo de digitalização, do qual territórios, pessoas e coisas se (info)materializam. Ao fazerem parte desse contexto informacional, os povos indígenas brasileiros experimentam a complexificação das suas práticas comunicativas, primordialmente conectivas entre os seus diversos planos cosmológicos (visíveis e invisíveis). Diante desse contexto, este artigo tem como propósito descrever algumas experiências indígenas com o digital, analisando-as à luz de uma ecologia comunicativa reticular, as quais exemplificam a complexificação da atuação de humanos e não humanos no contexto do processo de digitalização, pelo qual pessoas, território e tecnologias digitais formam uma ecologia comunicativa reticular.


Palavras-chave


Digitalização; Povos Indígenas; Ecologia Comunicativa; Redes Digitais

Texto completo:

PDF

Referências


COELHO, J. R..Cosmologia TeneteharaTembé: (re)pensando narrativas, ritos e alteridade no Alto Rio Guamá – Pa. 2014. 117 f. Dissertação. (Mestrado em Antropologia Social) - Universidade Federal do Amazonas, 2014.

DESCOLA, P.. Ecologia e cosmologia. In: CASTRO, E., PINTIN, F. (orgs.)Faces do trópico úmido – conceitos e questões sobre desenvolvimento e meio ambiente. Pará: UFPA/NAEA, 1997.

DI FELICE, M..Paisagens pós-urbanas: o fim da experiência urbana e as formas comunicativas do habitar. São Paulo: Annablume, 2009.

DIFELICE,M.. Redes digitais, epistemologias reticulares e a crise do antropomorfismo social. In: Revista USP, São Paulo, n. 92, p.9-19, Dezembro/Fevereiro 2011-2012.

DI FELICE, M..Net-ativismo: As ecologias das interações nas redes digitais

da ação social ao ato conectivo. Tese de Livre Docência, São Paulo: Universidade de São Paulo, 2016.

DI FELICE, M.; PEREIRA, E. S. (orgs). Redes e ecologias comunicativas indígenas: as contribuições dos povos originários à teoria da comunicação. São Paulo: Paulus, 2017.

DI FELICE, M; PEREIRA, E.; ROZA, E. (orgs.)Net-ativismo: redes digitais e novas práticas de participação. Campinas: Papirus, 2017.

DIAS, C..O povo Tembé da Terra Indígena Alto Rio Guamá: construindo vias de desenvolvimento local? 2010. 176 f. Dissertação. (Mestrado em Ciências). Núcleo de Meio Ambiente. Universidade Federal do Pará, Belém, 2010.

FONSECA, L. M.; GOHN, M. G. M..Redes de mobilização e organizações indígenas – internet, ciberativismo e novos repertórios de resistência contra grandes projetos na Amazônia. Caxambu, ANPOS, 2016.

GIUSTI, D. Tribo Tembé usa tecnologia para proteger terra indígena no Pará. G1 Globo, Pará, 06 dez 2014. Disponível em:

. Acesso em 11 outubro 2018

GALLOIS, D..Terras ocupadas? Territórios? Territorialidades?, In: GALLOIS, D.O desafio das sobreposições terras indígenas & unidades de conservação da natureza. São Paulo: ISA, 2004.

INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL. Povos indígenas no Brasil. 2011/2016, n. 252, São Paulo, 2017.

LATOUR, B..Políticas da natureza. São Paulo: EDUSC, 2004.

MALINI, F..Tecnopolítica: A viralidade indígena em rede e os novos modos de mobilização. In: Midianinja. 20/04/2017. Disponível em: . Acesso em: 27 maio 2017.

MOREIRA, F. C..Redes xamânicas e redes digitais: por uma concepção ecológica de comunicação. 2014. 272f. Dissertação. (Mestrado em Ciências da Comunicação). Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, 2014.

PELLEGRINI, M. Mais capítulo sangrento da saga Guarani-Kaiowá. Carta Capital, 2015. Disponível em: . Acesso em: 23 fev. 2017.

PEREIRA, E. S..O local digital das culturas: as interações entre culturas, mídias digitais e território. 2013. 296f. Tese. (Doutorado em Ciências da Comunicação). Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, 2013.

____________. Ciborgues indígen@s.br: a presença nativa no ciberespaço: São Paulo: Annablume, 2012.

SILVA, N. Language attitude change among the Tembe people of Brazil. Notes on Sociolinguistics 6: 59-64, 2001.

STENGERS, I. Cosmopolitics II. (Posthumanities). Tradução de Roberto Bonnono, Minneapolis: University of Minessota Press, 2011.

VIVEIROS DE CASTRO, E..Metafísicas canibais. São Paulo: CosacNaify, 2013.


Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Universidade Federal de Juiz de Fora

Programa de Pós-graduação em Comunicação
Lumina - Revista do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Juiz de Fora

E-mail: revista.lumina@ufjf.edu.br

Classificação Qualis-CAPES : B1

ISSN 1516-0785 | e-ISSN 1981-4070

Diretórios e Indexadores:

Siga a Lumina